Como pagar as contas do começo do ano sem sufoco! – Parte 1

Compartilhe com seus amigos:

Os descontos à vista valem a pena?

Todo início de ano é aquela história: material e uniformes escolares, IPVA, IPTU e ainda as despesas de fim de ano que aparecem na fatura do cartão de crédito. Com tantas despesas extras, que ultrapassam o orçamento de um mês comum, pagar as contas do começo do ano fica difícil só com o salário do mês. Por isso, muita gente acaba optando por tomar um empréstimo para pagar essas contas ou por entrar no cheque especial do banco. Ambas opções custam muito caro. São créditos em que pagamos um juro muito alto e onde, por fim, acabamos pagando muito mais do que o valor das contas que precisávamos quitar.

Mas, e aí? Esse problema tem solução?

Sim, vamos analisar de duas formas.

1. Vale a pena sacar dos investimentos para pagar as contas à vista?

Se você tem dinheiro guardado em investimentos de baixo risco (na poupança, fundos de Renda Fixa ou mesmo no Tesouro Direto Selic), lembre-se que a taxa de juros básica do Brasil, neste mês de fevereiro/2020, chegou a 4,25% ao ano e deve continuar assim por um bom tempo. Qualquer desses investimentos conservadores deve render menos que essa taxa nos próximos meses.

Então não é inteligente manter dinheiro guardado rendendo a uma taxa muito mais baixa que aquela que incide sobre o empréstimo tomado para pagar as contas do começo do ano.

Sim, saque dos investimentos para pagar as contas, por mais que isso seja dolorido. Sei que você podia estar guardando aquele dinheiro para um sonho, um projeto futuro. Mas, não se esqueça que o empréstimo que você faria iria cobrar parcelas todos os meses seguintes. Isso reduziria seu salário disponível de qualquer forma no futuro. Então pague as contas a vista (pelo preço real delas) e assuma um compromisso consigo mesmo de investir, nos próximos meses, uma quantia próxima às parcelas que você teria que pagar, se tomasse o empréstimo.

Assim, estará reconstruindo aquelas economias que você tinha investido.

2. É mau negócio parcelar as contas, mas perder o desconto?

Em alguns estados, impostos como IPVA e IPTU podem ser pagos de forma parcelada, mas também vêm com a opção de pagamento à vista com desconto. Em 2020, esse desconto tem variado de 3% a 10% na maioria dos estados. Onde moro é de 5%.

Também as papelarias e livrarias, no início do ano, costumam facilitar as compras de material escolar, livros e uniforme, oferecendo aos pais pagamento parcelado do valor total da compra. Mas, ao mesmo tempo, para aliviar sua necessidade de caixa, incentivam que a conta seja paga no menor prazo possível para o cliente, por meio de descontos para pagamento à vista ou em uma vez no cartão de crédito.

E então? O que é mais vantajoso financeiramente?

Para responder, devemos seguir o mesmo raciocínio do item anterior. Com o rendimento de investimentos conservadores abaixo dos 4,25% ao ano, um desconto de 5% para pagamento à vista é um ótimo desconto e deve ser aproveitado, se for possível. Se você puder pagar à vista, muito melhor!

Entre um desconto de 10% no cartão de débito e de 5% no cartão de crédito, ambas opções são melhores que o pagamento sem desconto. E, claro, o desconto de 10% é imbatível. Afinal você perderia 5% adicional de desconto só para jogar a conta para a próxima fatura do cartão.

Resposta à pergunta: Sim, é mau negócio perder os descontos para pagamento à vista, se você estiver preparado para adiantar os pagamentos.

Mas, e se não estiver preparado? Calma, não é o fim do mundo!

Veja a Parte 2 deste artigo.

Compartilhe com seus amigos:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.